• 0

  • 0

O detalhe está na costura

O detalhe está na costura

Ariane Santos ampliou seu negócio e descobriu um caminho na costura para gerar renda , além de empoderar mulheres que querem empreender

Ainda pequena Ariane Santos, 43 anos, via sua mãe e sua avó utilizando a costura para unir a família. Aproveitavam retalhos e tecidos que davam forma a roupas e vestiam as crianças da família. Empreendendo com a Badu Design em Curitiba, Ariane buscou o que sentia em sua memória: a costura como ferramenta de geração de renda e empoderamento de mulheres.

Quando criou a sua marca em 2014, Ariane passava por um período complicado e sentia a necessidade de recomeçar. “Cuidava da minha avó que tinha problemas de saúde, e com isso me desvinculei do trabalho. Quando ela faleceu, entrei em depressão. Lembrei que na época da faculdade fazia cadernos, e comecei a fazer cadernos personalizados. A repercussão foi tão boa que tive um pedido maior, e então passei a produzi-los com capas de tecido”, fala Ariane.

Seguiu com os itens de papelaria personalizados, mas logo percebeu que a costura era a ferramenta que faltava para melhorar os produtos. Uma ideia veio lá da memória dos tempos de menina. Com a Copa do Mundo no Brasil recebeu um pedido grande de souvenires para Curitiba e então decidiu investir de vez. “Depois de um tempo de atuação, começamos a receber materiais têxteis diferenciados e que não serviam para encadernação. Comecei a pensar que poderíamos desenvolver com estes materiais. Além disso, com a costura envolvi mais mulheres e agreguei mais valor aos produtos, aumentando a renda das empreendedoras”.

Hoje a Badu Design é um negócio social que transforma resíduos têxteis em peças sustentáveis como bolsas, brindes, mochilas, acessórios, além de utilizar a costura no acabamento de peças de papelaria. “Começamos o negócio de uma maneira muito simples, mostrando que mesmo como MEI (Microempreendedor Individual), podemos pensar em impacto social. A cada ano cerca de 170 mil toneladas de resíduos têxteis são descartados, e tudo isso pode ser utilizado como ferramenta de transformação”, destaca Ariane.

Com a participação de mulheres costureiras na rede da Badu a Ariane sentiu necessidade de criar uma rede de apoio. E assim incluiu novas ferramentas e estratégias que pudessem fortalecer ainda mais a rede. “As conversas que surgem nas produções ajudam uma a outra. Juntas criamos produtos que contam histórias, que fortalecem e criam laços afetivos. Formamos uma rede costurada ponto a ponto com amor, propósito e produtos que são reflexo deste momento”, reflete Ariane.

Esta trabalho já alcança 23 mulheres, que após a participação em cursos de costura, integram o processo que vai desde a construção das peças até a produção final. “Temos também encontros de capacitação para desenvolvimento pessoal e profissional, e um laboratório de design onde desenvolvemos produtos em rede colocando ideias através da cocriação com todas as costureiras.”
Nesse processo de transformação a Burda Style entra como uma ferramenta de trabalho e conhecimento, como detalha a Ariane. “Nós realmente gostamos e utilizamos o conteúdo da revista quando vamos produzir algo novo. Compartilhamos ideias, nos inspiramos na revista, e utilizamos os moldes, tudo isso sendo aproveitado nos projetos de criação de produtos”.

Buscando conhecimentos para melhorar a gestão de negócio, Ariane participou em 2016 da Escola Brilhante. “Eu consegui ver nos conteúdos algo que se ajustasse a minha rotina. Podemos sim, através de pequenas ações, se organizar, aprender e fortalecer o negócio por meio da gestão. Algo muito importante para que a empresa cresça”. Logo em seguida Ariane se inscreveu e foi selecionada no concurso Hora de Brilhar, conquistando o 1º lugar na categoria atuante, ou seja, de um negócio que já está estabelecido. O concurso Hora de Brilhar é a terceira fase do Ciclo Brilhante, resultado de uma parceria entre a marca Brilhante, Aliança Empreendedora e Escola de Você, que empodera, capacita e inspira mulheres a buscar seu sonho de abrir ou desenvolver o seu negócio
“Percebi que muitas mulheres se encontravam em situações parecidas com as minhas. Como premiada eu pude investir no meu negócio e aprender também aspectos de gestão”, destaca a empreendedora.

Para a Ariane o poder de criação e de conhecimento são caminhos que muitas mulheres podem explorar ao pensar na costura como negócio. “Vejo muitas mulheres com um potencial enorme de criação, e a minha dica é para que elas se permitam inventar: usem seus retalhos e deixem a sua alma transparecer nos produtos, assim existe a sua autenticidade. E não tenha medo de iniciar com pouco, eu comecei com apenas 30 reais e deu certo não é?”, comemora Ariane.

A gestão do negócio precisa ser colocada em ordem?

Quando empreendemos as coisas vão acontecendo e quando você percebe, muita coisa da gestão precisa ser colocada no lugar. Mas calma! Existem muitas ferramentas que podem ajudar nessa estruturação. No Tamo Junto você encontra tudo o que precisa:
1. Fazer o diagnóstico do seu negócio e descobrir quais são as principais áreas de gestão que precisam de atenção
nesse momento.
2. Acessar videoaulas específicas sobre diferentes áreas de gestão e desenvolvimento do negócio.
3. Fazer o download de ferramentas que vão te ajudar a organizar a gestão do negócio de acordo com a sua rotina e o seu dia a dia. E tudo isso de forma gratuita!

Conheça o projeto Tamo Junto da Aliança Empreendedora:
www.aliancaempreendedora.org.br/tamojunto

Tags

  • empreendedorismo
  • empreender
  • meu negócio é costura
  • negócios